Ballet

By |2018-12-04T14:47:38+00:00dezembro 4th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , |

Todos nós temos muitas lembranças dentro do nosso coração. Às vezes elas são boas, outras nem tanto. Também possuímos aquelas que tem algo a nos dizer, ou seja, ensinamentos. Esses dias fui passear no shopping e por acaso parei bem na frente de uma loja infantil que dentre muitas coisas, vendia roupas de ballet. O que fez com que eu adentrasse no meu baú de memórias e recordações. Nos minutos que ali fiquei observando as sapatilhas e saias, comecei a recordar de uma época muito longínqua, onde eu fazia aulas de ballet por orientação da minha neuropediatra (para que eu tivesse mais coordenação motora e equilíbrio). Eu deveria ter uns quatro anos, morava em Itapiranga (Santa Catarina). Então, fui escolher meu uniforme para minha nova atividade. Eu queria tudo cor-de-rosa, inclusive até os dias atuais é uma das minhas cores favoritas. Me mudei para outra cidade e comecei as aulas novamente. Um dia que parecia ser normal como qualquer outro, foi totalmente atípico na minha vida: a professora fez uma prova surpresa dos passos de ballet. Eu estava bem despreocupada aguardando minha nota, foi quando eu escutei: “Fernanda, sua nota é zero.” Nossa! Me deu uma imensa vontade de chorar e sair correndo daquele lugar. Imagina a vergonha para uma criança. Além da minha vexaminosa situação, tive que olhar para o rostinho das minhas coleguinhas e ver quase todas rindo de mim (o que eu super entendo hoje em dia, pois crianças são crianças). Mas naquele momento, eu queria mais

Saudades

By |2018-11-27T13:35:17+00:00novembro 27th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: |

Faz falta alguém que sinta saudades de verdade, saudades “fakes” são tão comuns ultimamente. E essa palavra que possui oito letras para mim é tão intensa e verdadeira. Saudade é um sentimento estranho, que às vezes nos faz sorrir, outras nos faz chorar. Existem músicas, lugares, cheiros, roupas que nos fazem sentir saudades e nada nesse momento de introspecção total minimiza nossas lembranças. Saudades de quem fala o que sente sem constranger o coração nem alma de alguém. Saudades de quem consegue tocar o coração com simples palavras e atitudes. Saudades de quem sente saudades sem precisar esperar amanhecer. Mas não dá para viver só do passado e no passado. Temos que seguir em frente. Ter novas lembranças, sensações, companhias, ir a novos lugares. Em certos momentos temos que sufocá-la, parar de alimentá-la, pois nem sempre nos faz bem. Sentir saudades é normal. O que não podemos é deixar que ela penetre dentro das nossas entranhas e passemos a viver de saudades. Para isso não acontecer, o melhor a fazer é abrir a janela do nosso coração e olhar para nosso presente com sabedoria, e criar um futuro com alegria e esperança buscando novas lembranças que aquecerão nossos dias e daqui algum tempo irão tornar-se saudades. Permita-se sentir saudades, porém não deixe com que ela faça parte do seu cotidiano. Saudades… Só isso e mais nada!

Você é protagonista ou figurante?

By |2018-11-14T13:34:42+00:00novembro 14th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , |

Quantas vezes estamos em um lugar qualquer e nos perguntamos:

“O que é que estou fazendo aqui?!” Isso já aconteceu comigo e arrisco a dizer que com você também.

Nos pegamos em situações onde nos sentimos incapazes de sermos nós mesmos, somos mais um naquela multidão de pessoas.

Passam os dias e às vezes acordamos e fazemos tudo tão robotizado que quando vamos dormir, a sensação é que não fizemos nada.

E aí dormimos, às vezes bem, outras vezes nem tanto, e mais um dia amanhece, acordamos e começa tudo de novo.

E lá se vai mais um dia do resto de nossas vidas. Digo isso porque, um dia a morte chega, e chega para todos.

Como não sabemos quando será esse dia, é melhor tomarmos uma atitude.

 

Começar a viver e não só sobreviver.

Vamos começar pelo quesito de como nos vemos.

Quantas vezes você olha no espelho e vê quem está refletido nele? Você se reconhece?  Você gosta do que está vendo?

Saiba que a única pessoa responsável pela imagem refletida no espelho é você mesmo.

Então se não está se reconhecendo, ou não está gostando do que vê, só você pode mudar isso.

E eu não me refiro a grandes mudanças, aquelas que envolvam uma cirurgia por exemplo, estou querendo lembrar as coisas simples.

O modo que arruma o cabelo, podendo descobrir um novo corte.

Para as mulheres, um toque de maquiagem, uma cor de batom diferente, o uso de uma máscara de cílios para realçar o olhar.

Para os homens, deixar o bigode crescer, ou se ele existe, tirá-lo. O mesmo

Tolerância

By |2018-11-07T09:23:44+00:00novembro 7th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: |

Nesses últimos meses de eleição em nosso país, pude notar a falta de tolerância do nosso povo, entre amigos, pessoas da mesma família, nos campos profissionais e acadêmicos. E é justamente por isso que resolvi escrever sobre o que é e por que ter uma atitude tolerante é importante para as relações humanas.
Tolerância vem do latim tolerare que significa “suportar” ou “aceitar”. Admitir modos de pensar, de agir e de sentir diferentes do seu. Consentir práticas, mesmo quando você desaprova fortemente.
Na sociedade, a tolerância é a capacidade de uma pessoa ou grupo social de aceitar outra pessoa ou grupo social, que tem uma atitude diferente dos demais. Desta maneira, é garantida a aceitação de diferenças sociais e da liberdade de expressão. Sem a tolerância não conseguimos viver numa sociedade civilizada onde podemos trocar vivências, pensamentos e ensinamentos. Sem a tolerância o povo emburrece e a barbárie, que consiste no caos e desordem, toma conta da sociedade e aos poucos vai desmantelando a cultura.
Qualquer pessoa está autorizada a expressar o que acredita que é verdadeiro, pois a intolerância não pode impor somente a sua verdade. A tolerância não vai contra outras escolhas, pensamentos e até outros candidatos, mas torna amável a convivência.
Instituído pela ONU, o dia 16 de novembro agora representa o Dia Internacional para a Tolerância. Esta é uma das muitas medidas da Organização das Nações Unidas para o combate à intolerância e da não aceitação da diversidade cultural.

“Aceitar-se a si mesmo é um pré-requisito para uma aceitação mais fácil

A princesa e o Florisbelo

By |2018-10-23T10:25:22+00:00outubro 31st, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , |

Nascera uma linda princesinha com belos cachinhos dourados e um par de olhos azuis os quais mais pareciam duas safiras. Ela se chamava Margarida porque, assim como as flores, era delicada e perfumada. Os seus pais, o rei e a rainha, não tinham outros filhos. Eles precisavam arrumar um príncipe a altura de sua única filha e herdeira de todo o reino de Cozan para casa-la. Só que ela havia nascido sem um dos dedos de sua bela mão. Margarida cresceu e teve uma infância feliz, apesar deste seu pequeno defeito. Como já havia completado dezoito anos, tinha que casar-se conforme as rígidas leis do reino aonde viviam. Mas, todos os príncipes que seus pais haviam conseguido, quando iam colocar o anel de noivado e viam que ela não possuía o seu dedo anelar, desistiam do casamento. Ela ficava inconsolável, chorava muito quando seus pretendes a desprezavam. Porém, rapidamente recompunha-se, voltava a sorrir e caminhar pelos jardins com flores dos mais diversos tipos do palácio com seu único amigo, Florisbelo, seu passarinho de estimação, o qual conversava todas as noites em seu esplêndido quarto.

Margarida contava para ele que se sentia triste e agoniada por nenhum dos príncipes quererem firmar compromisso, ficava a perguntar-se o que seria do seu reino caso ela não casasse e se punha a imaginar o quanto seus pais ficavam chateados. Embora ela fosse sorridente e brincalhona, seus olhos refletiam uma tristeza peculiar.

Um belo dia de sol, ela saiu para passear como já era de costume, com

Jillian Mercado, na moda!

By |2018-10-23T09:53:26+00:00outubro 25th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , |

Redefinir a beleza? Aceitação? Novos padrões? Limitações? Tenho certeza que todas essas palavras se encaixam com o nome de Jillian Mercado. Uma jovem menina, de 28 anos que foi diagnosticada com distrofia muscular ainda na barriga da sua mãe. Sinônimo de superação, usando cadeira de rodas desde a infância, nunca deixou que sua condição física atrapalhasse seu sonho de trabalhar com moda. Com um sorriso nos lábios e uma enorme vontade de vencer foi estudar gestão de merchandising no Fashion Institute of Technology, em Nova Iorque, com foco no mercado editorial. Durante seu período de estágio, passou pelas revistas Allure e Veranda, e em paralelo a isso, alimentava seu blog de moda diariamente.

Em 2013 foi convidada para participar de uma campanha de moda da marca Diesel que trazia modelos fora do padrão, foi sucesso total. Recentemente assinou contrato com a agência IMG, a mesma da top model Kate Moss e estará presente nas melhores e maiores campanhas de moda do mundo.

Por isso se você se encontra triste e frustrado, achando a sua vida ruim, que nada tem jeito, está acomodado na sua zona de conforto (o que acontece várias vezes comigo), não deixe a peteca cair! Olhe para o lado que encontrará pessoas lutando para ter uma vida digna, batalhando para fazer algo de útil, para ter algum sentido na vida, muitas vezes se encontrando em piores condições físicas ou financeiras que nós (sempre me falam isto toda vez que começo a reclamar). O que nos falta de vez em

Viva a alma, em um respeito fascinante.

By |2018-10-23T09:39:23+00:00outubro 24th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , |

Em um encontro esperado de confraternização e alegria estávamos nós, amigas a mesa de um restaurante conversando sobre assuntos variados, risadas, comidinha gostosa, atenção e disponíveis ao acolhimento que ali se apresentava. Entre o grupo estava presente uma pessoa que participava dos assuntos ouvindo atentamente e observando o ambiente, o prato escolhido e servido a ela. Essa especial senhora de setenta e sete anos, hoje com uma patologia neurológica confirmada que por vezes rouba sua memória de ação ou memória operacional como denominamos em psicologia e medicina, por tanto a fuga da memória tem se tornado constante. E em meio aos assuntos conversados cada uma de nós se lembrou de algum fato marcante ou importante de acontecimentos atuais, eventos sociais familiares, como estão sendo organizados nos dias de hoje, mais despojados e recordando como eram organizados há tempos atrás, com suas praxes, etiquetas, cerimoniais, vestuários entre outros, as exigências eram diferentes. De repente a memória mais antiga da senhora lembrou-se da construção da ponte RIO NITEROI, aquela que utilizamos para nos deslocar de carro do município do Rio para Niterói e outras regiões do outro lado da Baia de Guanabara e fez um relato de quando trabalhava como enfermeira em um hospital do Rio recebeu vários casos de acidentes com operários que trabalharam naquela obra, acidentes com ferimentos graves, lesões, episódios de desesperos e desajustes mentais, neurológicos causados por ar comprimido. Ficamos todas ouvindo com certo pesar e ao mesmo tempo em nossa memória tão saudável ajustando o acontecido com

ALGUÉM QUE CONHECI! RELATO DE UM PÁSSARO COM SEU PIO!

By |2018-10-17T16:52:12+00:00outubro 18th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , |

Olá, pessoas lindas que acessam o nosso blog Rosa Valente! Como sempre adoro viver momentos e relatá-los da forma como sinto, então compartilho esse com vocês.

Um dia um pássaro diferente curioso sobrevoava a varanda de um shopping, pousou em um banco e ficou procurando por algum resto de farelo para comer e não achou. Mas, olhou uma coisa diferente e voou para perto para verificar. Muito curioso começou a dar bicadas para ver se a coisa se movia, e de repente veio um vento que abriu e desfolhou a coisa. Ainda muito curioso e dotado de um dom mágico percebeu uma frase: “OLÁ VIDA”! E continuou a olhar e percebeu outra frase. “UM PÁSSARO SEM ASAS.”

E o pássaro se perguntou, “como um pássaro sem as asas?”. Então o pássaro, ainda muito curioso, resolveu usar seu dom mágico oculto e começou a bicar cada linha do que estava escrito, o vento como aliado virava as páginas para ele. O pássaro percebeu que eram histórias vividas nas várias viagens que aquele pássaro sem asas deu ao longo de sua vida até então.

O pássaro curioso se perguntou novamente, “como esse pássaro é sem asas?”. Ele voou alto, voou baixo, sentiu muitos ventos fortes, brisas leves, sentiu cada sensação dos momentos.

E o pássaro curioso começou a se olhar, verificou suas próprias penas, asas, cauda e indagou para si mesmo: “eu tenho penas, asas, voo de um lado para o outro tão rapidamente e nunca experimentei momentos assim sensações, tão ricas, que alimentam qualquer faminto!”

Que

SOU MAIS QUE UM DIAGNÓSTICO

By |2018-10-15T09:25:36+00:00outubro 15th, 2018|Categories: Psicologia, Reflexões|Tags: |

A reflexão deste texto aponta o diagnóstico como sendo uma parte do individuo e não o seu todo. Isso cabe a todos os diagnósticos, em especial nas doenças e transtornos mentais.

O diagnóstico das doenças e transtornos mentais são uns dos mais complexos e difíceis de serem fechados, isso se dá principalmente porque a maioria desses diagnósticos são realizados somente por exames clínicos, sem exames laboratoriais e de imagem como ferramentas para confirmar o diagnóstico. Alguns dos principais sintomas que os pacientes se queixam, se encaixam em diversos transtornos, e assim, por vezes o diagnóstico não se fecha ou fica incompleto. Por fim, a subjetividade humana, que se constitui a partir do desenvolvimento cognitivo, através das experiências vividas, com os conhecimentos construídos, nos tornando seres únicos.

A busca por um diagnóstico pode ser rápida e, por vezes, pode demorar meses e até anos, principalmente quando se trata de crianças. É uma via crúcis, percorrendo consultórios médicos, hospitais, fazendo exames, no encontro de profissionais despreparados e outros tantos caminhos tortuosos. Sem contar o dispêndio excessivo do tempo (sabe-se que o quanto antes começar o tratamento e as intervenções, o prognóstico é bom) e de recursos financeiros.

O sofrimento psíquico é, por vezes, atrelado a dores físicas por conta do adoecimento mental. Sim, os transtornos mentais são doenças! Segundo um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), uma entre quatro pessoas será afetada por problemas mentais ou neurológicos em algum momento de suas vidas. E também a encorajar buscar ajuda de um profissional de saúde

É PRECISO SABER CRESCER

By |2018-10-04T09:13:56+00:00outubro 4th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , |

Cada vez mais estamos diante de um novo fenômeno da adolescência no desenvolvimento humano, compatíveis com as mudanças da sociedade. Atualmente, a adolescência vai até 19 anos, de acordo com a OMS – Organização Mundial de Saúde, porém um grupo de cientistas defende a extensão até os 24 anos, para garantir direitos por mais tempo. Mas por outro lado, delongar a adolescência pode infantilizar os jovens. A permanência na casa dos pais engloba os adultos de 25 a 34 anos, o que determina uma “semidependência”, caracterizando a adolescência estendida.

A pergunta que não quer calar: estamos sabendo crescer? Por que os jovens adultos estão tão infantis?

De uma maneira geral, não estamos sabendo crescer, pois desde cedo somos privados de frustração, de receber não e batalhar para alcançarmos nosso objetivo.
Na nossa sociedade é comum um comportamento egocêntrico, ter dificuldade de assumir responsabilidade, há uma facilidade em estabelecer e interromper relações, a imaturidade emocional, entre outros. Os filhos estão sendo criados presos dentro de casa (com medo da violência), com menos relações sociais e os pais, para suprirem a falta, fazem de tudo, oferecendo muitos e muitos brinquedos de custos elevadíssimos, e com a pior de todas as concessões: o “sim!” O poder ilusório que posso tudo. Mesmo os jovens que, embora tenham se esforçado para estudar ou trabalhar, desistiram por causa de barreiras externas, pois não aprenderam a persistir, a criar uma oportunidade e até mesmo ter o discernimento para avaliar e tentar em outro momento propício.
Não tem fórmula mágica, não tem