Finalmente esse post.

Quem acompanha o blog já sabe (e para quem está começando agora já captar a mensagem) que eu sou fã de Chico Buarque. Vocês podem conferir no meu primeiro post como colaboradora deste espaço.

Depois de 7 anos realizei o sonho de ir a um show de Buarque e o melhor é que fui em dois. Comprei meu  ingresso em outubro, logo nos primeiros minutos de abertura de venda para o show que ocorreria em São Paulo, 04 de março de 2018. Começou a contagem regressiva e a data parecia inalcançável.

Chegou janeiro e minha amiga me deu uma surpresa: um par de convites para o camarote de uma das apresentações no Rio de Janeiro, 20 de janeiro de 2018. A emoção foi tanta que eu fui fantasiada de Chico Buarque (eu digo que eu visto a camisa mesmo). Cheguei lá com o CD na ponta da língua.

Contive o choro que estava eminente após o tocar do terceiro sinal até as notas introdutórias de “Todo Sentimento”. Desabei com gosto e chorei igual um bebezinho. Foram muitas emoções ao mesmo tempo! O fato se repetiu no segundo show que fui, pouco mais de um mês depois. Dessa vez eu estava na cara do palco, praticamente na boca de cena. Foi incrível de ver.

Outra coisa muito destacável é o entrosamento da equipe (aqui incluo os contrarregras). Confesso que ver Chico Batera ali, na minha frente, me deu vontade de gritar. E a presença de Bia Paes Leme no palco. QUE MULHER! Bia é a única mulher no palco e, além de ser instrumentista e parte da banda, faz back vocal. Ela divide com Buarque canções lindíssimas como Yolanda (em espanhol) e Duetos (nesta substituindo a neta do cantor, Clara Buarque, que gravou a versão do CD Caravanas).

Eu era capaz de ir nesse show em todas as apresentações, mesmo sabendo que teriam as mesmas músicas, ele falaria as mesmas coisas entre as músicas, diria em todos que “agora vou cantar canções que eu letrei, mas que eu gostaria de ter composto, começando com Tom Jobim” e “Esse show é em homenagem a Wilson das Neves” (músico falecido em 2017 que acompanhou Chico e equipe durante muitos anos).

Que bela homenagem recebeu Wilson das Neves. Que belo presente para nós, o público. Buarque provou que ele vive mesmo sem ninguém ter pedido prova alguma. Fez o bis! Fez o bis duas vezes!!

Segue a playlist do show para que vocês possam ter a ideia do quão luxuosa é essa turnê:

  1. Minha Embaixada Chegou
  2. Mambembe
  3. Partido Alto
  4. Yolanda
  5. Casualmente*
  6. A Moça do Sonho*
  7. Retrato em Preto e Branco
  8. Desaforos*
  9. Injuriado
  10. Dueto*
  11. A Volta Do Malandro
  12. Homenagem ao Malandro
  13. Palavra de Mulher
  14. As Vitrines
  15. Jogo de Bola*
  16. Massarandupió*
  17. Outros Sonhos
  18. Blues para Bia*
  19. A História de Lily Braun
  20. A Bela e a Fera
  21. Todo Sentimento
  22. Tua Cantiga*
  23. Sábia
  24. Grande Hotel
  25. Gota D’Água
  26. As Caravanas*
  27. Estação Derradeira

Bis 1:

  1. Geni e o Zepelim
  2. Futuros Amantes (eu disse que a minha torcida era total para essa música lá no primeiro post rsrsrs)

Bis 2:

  1.  Paratodos

*músicas presentes no novo CDs – inéditas ou não.

 

PS¹.: Criei uma playlist especial com essas canções no meu perfil do Spotify

PS².: Além disso, gravei muitos vídeos do show que vocês podem conferir no meu perfil no instagram.

PS³.: A turnê fica em São Paulo até 22 de março e não tem previsão de seguir viagem, ao menos datas não foram confirmadas.