Ballet

Todos nós temos muitas lembranças dentro do nosso coração. Às vezes elas são boas, outras nem tanto. Também possuímos aquelas que tem algo a nos dizer, ou seja, ensinamentos. Esses dias fui passear no shopping e por acaso parei bem na frente de uma loja infantil que dentre muitas coisas, vendia roupas de ballet. O que fez com que eu adentrasse no meu baú de memórias e recordações. Nos minutos que ali fiquei observando as sapatilhas e saias, comecei a recordar de uma época muito longínqua, onde eu fazia aulas de ballet por orientação da minha neuropediatra (para que eu tivesse mais coordenação motora e equilíbrio). Eu deveria ter uns quatro anos, morava em Itapiranga (Santa Catarina). Então, fui escolher meu uniforme para minha nova atividade. Eu queria tudo cor-de-rosa, inclusive até os dias atuais é uma das minhas cores favoritas. Me mudei para outra cidade e comecei as aulas novamente. Um dia que parecia ser normal como qualquer outro, foi totalmente atípico na minha vida: a professora fez uma prova surpresa dos passos de ballet. Eu estava bem despreocupada aguardando minha nota, foi quando eu escutei: “Fernanda, sua nota é zero.” Nossa! Me deu uma imensa vontade de chorar e sair correndo daquele lugar. Imagina a vergonha para uma criança. Além da minha vexaminosa situação, tive que olhar para o rostinho das minhas coleguinhas e ver quase todas rindo de mim (o que eu super entendo hoje em dia, pois crianças são crianças). Mas naquele momento, eu queria mais era sumir do planeta. Nos dias de hoje eu lembro e acho engraçado o fato ocorrido. A tal professora não possuía nenhuma psicologia infantil e muito menos sensibilidade para ensinar crianças. Ela me deixou um tanto traumatizada e fez com que eu tivesse consciência de uma forma áspera e radical de que eu não havia nascido para dançar ballet. Certamente nunca mais voltei a fazer as tais aulas que minha médica fazia tanta questão. Para os professores em geral, deixo um recado: sempre incentivem seus alunos. Em compensação, atualmente eu danço um funk como ninguém, até o chão (risos).

By |2018-12-04T14:47:38+00:00dezembro 4th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , |0 Comments

About the Author:

Fernanda Pinto
É portadora de uma doença degenerativa que a impede de controlar seus movimentos, mas desde pequena aprendeu a ir atrás dos seus sonhos. Apesar de ficar sem caminhar durante alguns meses e ter que passar por sete cirurgias, onde se sentiu um pouco melhor, enxergou na escrita uma forma de expressar seus pensamentos, sentimentos e sobre como a doença afetava a si e sua família.