Nunca sonhei em ser cadeirante. Tenho certeza que ninguém sonha com isso. Nos últimos dias, tenho prestado muita atenção nas pessoas caminhando na rua. Livremente. Sem ter que pedir para ninguém levá-las. Muitas destas pessoas não fazem noção do quão libertador é poder caminhar sem rumo certo.

Sinto uma saudade imensurável da época que caminhava por aí. Esta vida que eu tenho certamente não foi a que eu sonhei para mim. A vida que eu sonhava era como as das histórias que minha vó contava antes de eu ir dormir. Onde eu era uma adulta totalmente independente, saia com minhas amigas dirigindo meu carro pelas ruas da cidade, fazia faculdade.Como eu amava ouvir e fazia minha vó repetir varias vezes as tais histórias. Certamente eu também sonhava em casar, ter filhos, trabalhar, ter meu dinheiro.

Como costumam dizer “O que você não pode mudar, tem que aceitar”. Vou dizer para vocês que é muito difícil aceitar. Aceitar tantas limitações. Aceitar uma vida totalmente dependente das outras pessoas. Muito difícil, mesmo. Mas, em contrapartida eu tento entender da seguinte maneira. Pensando que Deus quer que eu aprenda. Evolua meu espírito. E estamos aqui exatamente para isso. Evoluir. Às vezes fico me perguntando se eu teria orgulho da pessoa que eu me tornaria se eu caminhasse. A resposta que vem a minha mente é não. Porém sinto muito orgulho do ser humano que venho me tornando e estou buscando incessantemente me tornar. Lembrem-se Deus nunca dá ponto sem nó. E tudo pode se tornar pior sem otimismo, fé, alegria, gratidão e amor.