Quando preciso de força

By |2019-04-22T08:56:12-03:00abril 22nd, 2019|Categories: Reflexões|Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , |

Sempre quando preciso de força, encontro nos meus pais, Vania Maria Dotto Alves e Boaventura Pinto, e nas minhas duas irmãs, Carla Pinto e Bruna Pinto.

Quando estou desmotivada, pensando em desistir da minha luta, quando a vida parece sem graça. Eles me mostram que ela é muito melhor que parece ser, me levantam toda vez que caio, ou até mesmo antes de eu tropeçar já estão me aparando!

Com eles eu aprendo a me renovar, a me reinventar, a me reencontrar, a acreditar em mim novamente e em sentimentos, que já estavam completamente desacreditados!

Tudo que sou, a minha persistência, a forma como vejo a vida devo a minha família e alguns poucos e bons amigos!

Em suas palavras encontro a esperança que sempre o melhor ainda está por vir!

Amo vocês mais que tudo!!

É PRECISO SABER CRESCER

By |2018-10-04T09:13:56-03:00outubro 4th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , |

Cada vez mais estamos diante de um novo fenômeno da adolescência no desenvolvimento humano, compatíveis com as mudanças da sociedade. Atualmente, a adolescência vai até 19 anos, de acordo com a OMS – Organização Mundial de Saúde, porém um grupo de cientistas defende a extensão até os 24 anos, para garantir direitos por mais tempo. Mas por outro lado, delongar a adolescência pode infantilizar os jovens. A permanência na casa dos pais engloba os adultos de 25 a 34 anos, o que determina uma “semidependência”, caracterizando a adolescência estendida.

A pergunta que não quer calar: estamos sabendo crescer? Por que os jovens adultos estão tão infantis?

De uma maneira geral, não estamos sabendo crescer, pois desde cedo somos privados de frustração, de receber não e batalhar para alcançarmos nosso objetivo.
Na nossa sociedade é comum um comportamento egocêntrico, ter dificuldade de assumir responsabilidade, há uma facilidade em estabelecer e interromper relações, a imaturidade emocional, entre outros. Os filhos estão sendo criados presos dentro de casa (com medo da violência), com menos relações sociais e os pais, para suprirem a falta, fazem de tudo, oferecendo muitos e muitos brinquedos de custos elevadíssimos, e com a pior de todas as concessões: o “sim!” O poder ilusório que posso tudo. Mesmo os jovens que, embora tenham se esforçado para estudar ou trabalhar, desistiram por causa de barreiras externas, pois não aprenderam a persistir, a criar uma oportunidade e até mesmo ter o discernimento para avaliar e tentar em outro momento propício.
Não tem fórmula mágica, não tem