ALGUÉM QUE CONHECI! RELATO DE UM PÁSSARO COM SEU PIO!

By |2018-10-17T16:52:12-03:00outubro 18th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , |

Olá, pessoas lindas que acessam o nosso blog Rosa Valente! Como sempre adoro viver momentos e relatá-los da forma como sinto, então compartilho esse com vocês.

Um dia um pássaro diferente curioso sobrevoava a varanda de um shopping, pousou em um banco e ficou procurando por algum resto de farelo para comer e não achou. Mas, olhou uma coisa diferente e voou para perto para verificar. Muito curioso começou a dar bicadas para ver se a coisa se movia, e de repente veio um vento que abriu e desfolhou a coisa. Ainda muito curioso e dotado de um dom mágico percebeu uma frase: “OLÁ VIDA”! E continuou a olhar e percebeu outra frase. “UM PÁSSARO SEM ASAS.”

E o pássaro se perguntou, “como um pássaro sem as asas?”. Então o pássaro, ainda muito curioso, resolveu usar seu dom mágico oculto e começou a bicar cada linha do que estava escrito, o vento como aliado virava as páginas para ele. O pássaro percebeu que eram histórias vividas nas várias viagens que aquele pássaro sem asas deu ao longo de sua vida até então.

O pássaro curioso se perguntou novamente, “como esse pássaro é sem asas?”. Ele voou alto, voou baixo, sentiu muitos ventos fortes, brisas leves, sentiu cada sensação dos momentos.

E o pássaro curioso começou a se olhar, verificou suas próprias penas, asas, cauda e indagou para si mesmo: “eu tenho penas, asas, voo de um lado para o outro tão rapidamente e nunca experimentei momentos assim sensações, tão ricas, que alimentam qualquer faminto!”

Que

O Mito de Sísifo: uma versão carioca

By |2018-05-10T09:04:10-03:00maio 10th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , , , , , , , |

O retrato da tragédia ética (ou da falta dela) que se abateu no Estado do Rio de Janeiro, sendo transmitido no atual momento nas redes sociais e nas mídias afins, é o de policiais da UPP do São Carlos, região central do Rio, empurrando a viatura morro acima e – diga-se de passagem – sem sucesso; é uma cena digna (ou indigna) de nota!

Essa cena congelada em minha mente me remete à filosofia do absurdo de Albert Camus (1913-1960), que, em seu ensaio filosófico no último capítulo, nos apresenta o mito de Sísifo, que tinha ódio e desprezo pela morte, desafiou e enganou os deuses, e em sua punição, teria que empurrar uma pedra montanha acima por toda a eternidade.

Analogamente nós, cidadãos cariocas e policiais honestos, estamos na mesma cena! Sim, há policiais honestos e os citados acima são um exemplo! É assim que todos nós estamos, tentando e sem sucesso empurrar montanha acima “a pedra” dos nossos impostos e contas como: IPTU, IPVA, luz, gás, água, condomínio, aluguel, prestação da casa própria, multas impostas arbitrariamente, transportes, filas intermináveis para atendimento médico no Sistema Único de Saúde, Escolas Públicas que estão longe da qualidade que se espera em contra partida com os altíssimos impostos cobrados, etc. O que dizer da segurança então? Ela está na UTI, e precisando de múltiplos transplantes de órgãos (públicos), um novo e saudável órgão de Secretaria de Segurança, Governador, Prefeito, Diretorias e Secretarias afins…

Voltando à metáfora grega, Sísifo, pensando que estava quase chegando ao topo

A Menina de Tranças

By |2018-04-18T17:11:25-03:00abril 19th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , , , |

Em cada viagem que eu faço adquiro novas experiências e aprendo muito (para quem não sabe, eu amo viajar). Quando fui para Itália e estava em Roma percorrendo os corredores do Museu do Vaticano, percebi uma menina olhando para mim atentamente. Logo pensei “deve ser curiosidade de criança” pois já passei por vários episódios semelhantes. Mas mesmo ignorando por completo sua presença, ela continuava a me olhar. Então, resolvi retribuir o gesto com certa indignação e armadura. Foi quando ela me surpreendeu e nossos olhares se cruzaram. A menina retornou o meu olhar com um belo e ingênuo sorriso, o que me desarmou na mesma hora, eu retribuí sorrindo para ela também. Ela me olhou de novo e sorriu novamente com jeito tão meigo que cativou meu coração, e eu devolvi sorrindo com muita alegria. A menininha de tranças seguiu o seu caminho e eu segui o meu. Quando vi já tinha a perdido de vista. Nem pude dizer a ela o bem e a felicidade que seu olhar e sorriso me trouxeram. Mas quem sabe não nos encontramos outro dia por aí!? Espero que sim!

Era uma vez…

By |2018-04-11T16:51:04-03:00abril 12th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , , , , , , , , |

Uma menina novinha chamada Fernanda. Ela se considerava “perfeita”, mas não era e nunca será, pois ser perfeita não é o seu forte. Geniosa como poucas pessoas, tingia os cabelos de preto. Amante do sol, toda vez que o verão chegava ficava super bronzeada. Adorava sair caminhando pelas ruas sem destino certo e dançar uma noite toda sem parar. Era tímida que só, não gostava de falar com pessoas que não conhecia porque tinha vergonha da sua voz já prejudicada pela doença. Amava correr, pular, jogar vôlei, andar a cavalo e principalmente ser livre. Achava que sabia tudo da vida, porém não sabia nada. Sobretudo está sempre disposta a aprender e ampliar seus horizontes.

Sua dor um dia foi grande, pois sua vida mudou muito. Mas hoje já não é mais porque ela vive o presente. Seu passado ficou para trás. Não se bronzeia mais no verão, porém continua amando o sol. Hoje em dia já não corre mais, nem consegue ficar uma noite inteira dançando sem parar e já não tem mais vergonha da sua voz. Felizmente ela nunca se dá por vencida e sempre sabe recomeçar. Ela nunca deixará de ser uma sonhadora convicta, esse é um dos segredos da sua vitalidade. Seu corpo já não é mais livre, porém sua alma sempre será.

Solidão, estar só ou ser só?

By |2018-03-27T11:47:48-03:00março 28th, 2018|Categories: Moda, Reflexões|Tags: , , , , , , , , , , |

O isolamento é uma atitude de fuga, muitas vezes escolhida para nos distanciar de fatos mais dolorosos.

A solidão pode ser um estado permanente? É possível que você seja uma pessoa solitária ao invés de apenas estar se sentindo desta forma?

Para sermos mais claros, não existe uma única solidão que se ajuste aos sentimentos individuais de cada ser humano, o que encontramos são formas de solidão.

Algumas desembocam sentimentos de pânico e medo a partir de um comportamento de isolamento social que pode se agravar ao longo da vida.

Outras podem ser apenas reflexos de um momento pessoal ou ainda uma característica comportamental com a qual podemos aprender a conviver.

Seja como for, a solidão pode ser pessoalmente devastadora ou um fardo compartilhado com as pessoas a nossa volta.

Uma pessoa solitária pode não estar sozinha, apenas se sentindo desta forma a partir da maneira como interpreta o mundo.

Para simplificar, digamos que você tenha a mais absoluta certeza de que ninguém te entende em sua família. Como consequência passa a preferir cada vez mais o isolamento e quanto mais se fecha em si mesmo, menos as pessoas entendem seu comportamento.

No extremo desta sequência de eventos, suas reações à interação com as pessoas passam a ser baseadas em desconfiança.

A desconfiança pode desenvolver o medo e a partir daí é possível que se chegue ao pânico. Tudo isso por se distanciar da realidade compartilhada, como se todas as pessoas a nossa volta fossem incapazes de entender nossos sentimentos ou formas de pensar.

Enquanto na realidade, nossa forma de

Pôr do Sol em Roma

By |2018-02-23T16:20:09-03:00fevereiro 26th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , , , , , , , |

Vi tantos pores do sol maravilhosos em Roma. Eu amo observar e fotografar neste horário do dia. A tão famosa Golden Hour, a tal da luz mágica, é o período do dia em que a luz do sol ganha tons alaranjados e sombras mais acentuadas. Muita gente gosta de tirar fotos nesse período (ao amanhecer ou entardecer), pois a iluminação da foto fica mais bonita, sutil e delicada. Quando eu noto que o pôr ou nascer do sol está bonito, logo peço para alguém registrar o momento, seja na minha casa em São Gabriel, Rio Grande do Sul, ou quando estava em Roma. Para mim é um dos espetáculos mais belos da natureza. Mas em Roma parecia ter outro gosto, talvez seja porque era a primeira vez que eu o via. Olhem para o céu nesta hora e tenho certeza que não se arrependerão. É lindo demais! É muito bom contemplar esses shows que a natureza nos oferece sem pedir nada em troca.

Também observei que tem muitos cachorrinhos lá, assim como em Florença. Enxergava eles por toda parte, nos restaurantes, dentro das lojas, no transporte público, no mercado, no trem viajando com seus donos sem precisar estar dentro das casinhas para transporte.  Tinha vezes que os via do lado de fora dos estabelecimentos sem aquele temor que os seus tutores têm de que sejam roubados. Percebi que todos são muito bem ensinados, cuidados e também que não há cãezinhos de rua. O que fazia com que eu lembrasse a todo

O que te motiva?

By |2018-01-25T13:42:30-03:00janeiro 26th, 2018|Categories: Psicologia, Reflexões|Tags: , , , , , , , , |

O que te faz levantar da cama de manhã? O que te impulsiona a fazer o que faz, ou o que não faz? Qual é a sua motivação? Bem, essas perguntas mobilizaram o mundo científico e organizacional, orientando-os como uma bússola na investigação de estratégias de sobrevivência em um cenário profissional cada vez mais competitivo e em constante mudança. Os cientistas, mais precisamente os psicólogos e as empresas, queriam saber por que as pessoas se comportavam desta ou daquela maneira? Por mais importante que essas questões possam parecer, as respostas não eram aceitáveis. E como a vida precede o trabalho, vamos tentar entender o que de fato é a motivação.

Motivação: vem do verbo latino “movere” que significa mover-se. Ambas indicam um estado de despertar do organismo. Portanto, é algo interno! Na psicologia chamamos intrínseco.

Há tantos conceitos quanto teóricos da motivação tentando estabelecer uma resposta mais adequada e/ou científica para a questão. Aqui, vou tentar ser a mais objetiva, clara e sucinta na análise deste tema e convidar você leitor, a descobrir qual é a sua motivação!

Para Vernon (1973, p.11), “a motivação é encarada como uma espécie de força interna que emerge, regula e sustenta todas as nossas ações mais importantes”.  Contudo, é verdade que motivação é uma experiência interna e subjetiva que não pode ser estudada diretamente. É o impulso que está relacionado à necessidade de fazer algo. No início dos estudos sobre a motivação, o desafio era descobrir aquilo que deveria ser feito para motivar as pessoas; no mundo

Feliz Ano Velho

By |2017-11-17T13:18:49-03:00novembro 17th, 2017|Categories: Cultura|Tags: , , , , |

Depois de longos anos na minha lista de livros para comprar, tomei vergonha na cara e adquiri, na Bienal do Livro 2015 – São Paulo, o “Feliz Ano Velho” de Marcelo Rubens Paiva. Porém, após sair de uma lista, ele acabou entrando para outra, a de livros para ler. Na estante ele ficou por 1 ano, até eu tomar vergonha na cara (de novo) e ler. E li.

Demorei 3 semanas para terminar a leitura e não é pelo livro ser demorado e cansativo, pelo contrário. O livro é espontâneo, dinâmico, fluido e intenso. É uma leitura rápida, porém não superficial. Quando digo rápida me refiro à linguagem. Paiva se utiliza de uma linguagem coloquial. Assim como no livro de Lázaro Ramos (já falado neste site), parece que o autor está ali, bem na nossa frente, contando tudo.

A situação de proximidade com o leitor é tão real que a linha temporal do livro não é rompida, mesmo com as digressões realizadas por Paiva – salvo engano, Machado de Assis se valeu, e muito, de digressões em suas “Memórias Póstumas de Brás Cubas”. Em Feliz Ano Velho, Marcelo conta o sua nova situação: tetraplegia ocasionada pela lesão da 5ª Cervical aos 20 anos, quando mergulhou num lago raso (“Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiim”). Durante essa narrativa ele nos mostra momentos da vida dele até o então ano de 1979 – ano da publicação do livro.

“Adeus, Ano Velho, feliz, Ano-Novo

Não tinha o mínimo sentido. As lágrimas rolaram, chorei

Quem Sou Eu?

By |2018-05-02T17:36:01-03:00outubro 23rd, 2017|Categories: Reflexões|Tags: , , , |

Meus erros
Meus acertos
Meus sentimentos
Minha angústia
Meu semblante de dor ou alegria
Minha estupidez ou minha delicadeza
Minha vontade de viver a vida de uma maneira que não posso
As pessoas que beijei, abracei ou as que eu amei
As pessoas que eu amo e para sempre vou amar
Meus momentos, meus instantes
Meus pais, amigos, irmãs ou o meu filho peludinho
A minha solidão
Minha impotência diante de tudo que eu gostaria de realizar
Meus medos
Os sentimentos que se escondem por trás da minha vaidade e aparente futilidade
Meu rosto maquiado ou minha cara limpa do dia a dia
Minha sorte
Meu azar
Meu resgate permanente
Meus instintos mais primitivos
Meu amor
Minha culpa ou meu perdão
Meu sorriso ou meu choro
O tempo que eu perdi e tento recuperar muitas vezes depressa demais
O meu voo por entre paisagens que ainda não vi e outras que jamais verei
Minhas interrogações
O cheiro do meu perfume predileto
A minha descompassada esperança em jamais perder a esperança
Aonde se encontra minha tão sonhada e desejada felicidade?
Sei que ela se encontra dentro de mim, mas certas vezes é tão difícil encontrá-la
Tenho certeza de que sou tudo isso e muito mais
Tudo junto e misturado
Tudo a flor da pele, a flor desta esperança que não quer me deixar
Eu tento me reconhecer em meio a um turbilhão de sentimentos e emoções.
Por que a vida é agora.
Em futuro que não sei quando chegará, eu só serei cinzas dentro de um simples “potinho”. ⭐