Por que preciso ir ao Psicólogo?

By |2018-05-24T08:22:18-03:00maio 24th, 2018|Categories: Psicologia|Tags: , , , , , |

Essa é uma pergunta recorrente em pessoas que, por ocasião de algum evento traumático ou em função de conflitos pelos quais estejam passando e não consigam administrar sozinhas, fazem, diante da indicação desse profissional. Ou ainda, relatam em tom de tristeza que “precisei” procurar um psicólogo por esse ou por aquele motivo… como se procurar a ajuda de um profissional psicólogo, fosse sinal de fracasso social ou fraqueza pessoal. Outros ainda, o veem como uma punição para a falta de ação diante de um acontecimento inesperado, como por exemplo ser alvo de racismo dentro de uma instituição de ensino superior, fato esse transmitido a poucos dias na mídia, onde a vítima relatava o ocorrido e em tom de queixa dizia que estava fazendo terapia em decorrência do acontecido. Ou ser barrado na porta de um banco e/ou ficar preso na porta giratória do mesmo por ser de etnia afrodescendente. Não saber lidar com essas situações de pronto, não é fraqueza ou mesmo fracasso, mas ser sensível e humano a ponto de não acreditar que existam ainda pessoas que façam isso, em pleno século 21!

Buscar um profissional certificado, ético e competente em sua área de especificidade, é antes de mais nada, um ato de inteligência! É procurar ajuda de um especialista no assunto e não um curioso. É se permitir a abertura de pontos de vista que não tinha antes, para reescrever uma experiência dando um novo sentido; na Psicologia chamamos de ressignificar, em outras palavras, alterar a forma da percepção

TRANSTORNOS DE ANSIEDADE: o mal do século XXI?

By |2017-12-07T08:08:35-03:00dezembro 8th, 2017|Categories: Psicologia|Tags: , , , , , , , , , , , |

A ansiedade é complexa e misteriosa, como Sigmund Freud observou muitos anos atrás. Ainda hoje, no século XXI, quanto mais estudamos a seu respeito, mais intrigante nos parece. A “Ansiedade” é muito mais que um tipo específico de transtorno. É uma emoção tão envolvida com a psicopatologia, que essa discussão explora sua natureza geral, tanto biológica quanto psicológica¹.

Virou lugar comum falar sobre ansiedade e o mal que ela causa, e há hoje no mercado um sem número de programas de televisão, livros de autoajuda, acampamentos de meditação e pseudo terapeutas falando sobre como “curar” a ansiedade ou evitá-la. Há também um número crescente de fármacos para o alívio da tão temida ansiedade. Mas o que ela é? O que causa? Por quê ficamos ansiosos? Vamos começar a entende-la por sua definição simples: Ansiedade é um estado de humor negativo caracterizado por sintomas corporais de tensão física e apreensão em relação ao futuro (American Psychiatric Association, 2013; Barlow, 2002). Aqui, já identificamos que a ansiedade envolve duas dimensões, a biológica por seus sintomas físicos e a psicológica pelo seu sentido subjetivo de apreensão em relação a algo, e, que este algo se orienta para o futuro. Portanto, ela é uma emoção. As emoções desempenham enorme papel em nossas vidas diárias e podem contribuir significativamente para o desenvolvimento da psicopatologia (Barret, 2012; Gross, 2014; Kring & Sloan, 2010; Rottenberg & Johnson, 2007).

Vejamos agora qual seria a relação da emoção entre medo e ansiedade. Considere o medo, você está voltando para casa depois