Afinal, porque os terninhos rosa são hit?

By |2019-04-04T17:43:19-03:00abril 4th, 2019|Categories: Moda|Tags: , , , , , , , , , , , , , , , |

O mais legal de se acompanhar no fashion week, fora os desfiles, são as fashionistas com seus looks extremamente maximalistas, elaborados e ousados, mas tudo com bom gosto plausível de ser fotografada por especialistas em estilo.

Entre esses looks, está o terninho rosa, a alfaiataria que é tão presente nos desfiles das grandes casas de moda, e que ganha o mundo a fora com recriações ou inspirações que acabaram ganhando o street style de uma maneira contagiante.

Outro ponto muito legal são as modelagens, saindo totalmente do monótono, e que ganham toques diferenciados e cool. Além é claro da gama de cor de rosa ser bem explorada, variando de acordo com o gosto e estilo. Aliás, o rosa caminha bem entre vários estilos.

Outro pronto forte que quem me acompanha nas redes sociais (@alaganna) sabe que eu defendo é ter peças coringas, e quer algo mais coringa que um blazer bem cortado? Seja ele da cor que for, blazer é blazer, sempre se encaixa no look.

Além é claro de ser uma peça “sem idade”, qualquer mulher pode usar e abusar. A de 15 pode apostar em algo mais rock e a de 60 em um básico chic, ou vice-versa.

O fato é que: terninho é tendência pura, daquelas que atravessam as temporadas, justamente igual ao rosa que sai e entra fashion week, mas sempre está lá firme e forte.

E para quem não gosta da cor, é fácil, busque por algum que tenha uma tonalidade a seu gosto, e divirta-se com combinações e acessórios.

Rosa na Literatura

By |2017-11-07T09:23:26-02:00novembro 10th, 2017|Categories: Reflexões|Tags: , , , , |

Esse post não é crítico, nem opinativo, é pura exposição para uma eventual apreciação de vocês, leitores.

 

Guimarães ROSA

Mineiro, nascido em 27 de junho de 1908, João Guimarães Rosa foi um dos maiores escritores do nosso País, além de diplomata, novelista, contista e médico. Famoso, entre outros motivos, por ter suas obras ambientadas no sertão brasileiro, trouxe para a nossa literatura inovações na linguagem escrita que contou com a influência do coloquialismo falado e regional. Além disso, sua escrita era repleta de vocábulos criados por ele mesmo através de invenções e intervenções sintáticas e semânticas das palavras.

Curiosamente, foi criado o livro “Dicionário João Guimarães Rosa: uma Odisseia Brasileira”. Faleceu pouco tempo depois de assumir a cadeira nº 2 da Academia Brasileira de Letras – após diversas recusas.

É difícil listar as principais obras de Guimarães Rosa, visto a importância imensurável dele para a nossa literatura, mas cito aqui Sagarana (1946), Grande Sertão: Veredas (1956) e Estas Estórias (1969 – publicação póstuma).

 

A ROSA do povo

“A Rosa do Povo” é um dos livros de poesia mais lindos que já li. Escrito pelo modernista Carlos Drummond de Andrade (outro mineiro), a obra segue uma linha temporal que vai de 1943 até 1945. Logo, como podemos denotar, ele percorre os últimos anos da Segunda Guerra Mundial e por isso é tido como um reflexo da época sombria do mundo em que vivamos, transmitindo os sentimentos, as dores e angústias do fim desse período. Dizem os literários que, no livro, a “rosa” indica o sentimento e a