ALGUÉM QUE CONHECI! RELATO DE UM PÁSSARO COM SEU PIO!

Por |2018-10-17T16:52:12-03:00outubro 18th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , |

Olá, pessoas lindas que acessam o nosso blog Rosa Valente! Como sempre adoro viver momentos e relatá-los da forma como sinto, então compartilho esse com vocês.

Um dia um pássaro diferente curioso sobrevoava a varanda de um shopping, pousou em um banco e ficou procurando por algum resto de farelo para comer e não achou. Mas, olhou uma coisa diferente e voou para perto para verificar. Muito curioso começou a dar bicadas para ver se a coisa se movia, e de repente veio um vento que abriu e desfolhou a coisa. Ainda muito curioso e dotado de um dom mágico percebeu uma frase: “OLÁ VIDA”! E continuou a olhar e percebeu outra frase. “UM PÁSSARO SEM ASAS.”

E o pássaro se perguntou, “como um pássaro sem as asas?”. Então o pássaro, ainda muito curioso, resolveu usar seu dom mágico oculto e começou a bicar cada linha do que estava escrito, o vento como aliado virava as páginas para ele. O pássaro percebeu que eram histórias vividas nas várias viagens que aquele pássaro sem asas deu ao longo de sua vida até então.

O pássaro curioso se perguntou novamente, “como esse pássaro é sem asas?”. Ele voou alto, voou baixo, sentiu muitos ventos fortes, brisas leves, sentiu cada sensação dos momentos.

E o pássaro curioso começou a se olhar, verificou suas próprias penas, asas, cauda e indagou para si mesmo: “eu tenho penas, asas, voo de um lado para o outro tão rapidamente e nunca experimentei momentos assim sensações, tão ricas, que alimentam qualquer faminto!”

Que

Viajar é preciso, viver não é preciso

Por |2018-08-07T10:26:40-03:00agosto 7th, 2018|Categories: Reflexões|Tags: , , , |

O texto de hoje é sobre ter coragem! Como é preciso esse sentimento para poder navegar e se aventurar em tantas águas, mares e profundezas.

Engraçado como fui inspirada a escrever quando estava fazendo umas das coisas que mais gosto: dirigir. Pegar estrada sozinha, com uma boa música, soltando a voz na estrada junto com o meu possante, Rocinante* entramos num estado de sintonia que possibilita voarmos na estrada. Ops! Viajei, voltando…. Enquanto dirigia, percebi o quanto é importante sair da mesmice na vida, sabe aquela coisa de sempre, de todos os dias nos quais representamos papéis como profissional, amiga, mãe, esposa e por aí vai…. Viver consome o tempo, que é raro e valioso.

Viver não é preciso; Viver não é necessário.

Experienciei o que a música de Caetano queria dizer, navegar é preciso, viver não é preciso. Quando jovem não entendia essa frase, me instigava, como viver não era preciso? Fui saindo da minha própria vida, viajar por outros lugares, deliciando e espantando com o improvável, com a surpresa, com a perda, com o não… Posso assim, conhecer o meu “eu”, os meus reais desejos que agora cresce sem pressa e com autenticidade.

Navegar é preciso.

Viajar é criar, experimentar.

Navegar é preciso

Viajar é sentir, aventurar.

Parafraseando o general Pompeu, da Roma antiga, como também o grande poeta, Fernando Pessoa, para os quais a navegação era o principal meio para desbravar mares nunca antes navegados, viajar é a possibilidade de explorar desejos, sonhos e percorrer o aprazível do desconhecido ao se descobrindo.

Viajar é preciso; Navegar